sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Opinião: Scarlet (#2 The Lunar Chronicles), de Marissa Meyer






Neste segundo volume da coleção The Lunar Chronicles, conhecemos Scarlet Benoit, uma jovem de 18 anos que vive numa quinta francesa com a avó. Tinha uma vida normal até a avó desaparecer sem deixar rasto. A polícia encerrou o caso por falta de provas e os conhecidos não querem ajudar, porque pensam que a avó era uma maluca. Apesar de tudo, Scarlet não desiste e, aos poucos, com a ajuda de Wolf, um rapaz misterioso que acaba por conhecer, vai descobrindo segredos e percebendo que a sua vida é, afinal, tudo menos normal.


Neste segundo volume, para além de termos novas personagens, seguimos as desventuras das personagens do livro anterior, até porque, como segundo livro da coleção, estamos perante uma continuação. E que continuação entusiasmante!


Mais uma vez, Marissa Meyer prova que consegue inovar os contos tradicionais. Desta vez, pegou no enredo do conto "Capuchino Vermelho" e adicionou mutação genética e, novamente, personagens com profundidade e personalidades únicas e cativantes.
O que mais gostei foi da reafirmação do poder feminino. A avó de Scarlet trabalhou na aviação e desempenhou um papel importantíssimo, que a colocou em risco de vida. No entanto, mostrou-se firme e nunca prevaleceu perante o inimigo. Scarlet sabe defender-se e não permite que seja intimidada facilmente. Também é bom ver as personagens masculinas aceitarem o poder destas mulheres fortes. Um outro aspeto positivo relativamente ao enredo foi a forma como a autora intercalou duas ações distintas, uma protagonizada por Scarlet e outra protagonizada por Cinder, a personagem principal do primeiro livro. Não o fez de forma confusa e conseguiu estabelecer elos de ligação muito bons e ricos para o enredo em geral.
Contudo, se quiser comparar Scarlet com Cinder, prefiro Cinder, talvez devido à relação amorosa que se procedeu rapidamente neste segundo capítulo da coleção. Penso que é um ponto fraco da autora, o facto de as relações, quer amorosas, quer entre amigos, serem estabelecidas de forma muito repentina e, por isso, as mesmas não parecem ser suficientemente reais. Além disso, Meyer inovou mais no primeiro volume. É verdade que eu disse que, neste segundo volume, ela adicionou aspetos muito interessantes e originais, mas sinto que houve mais trabalho no Cinder.



The lunar chronicles | Tumblr
Fanart.


A escrita continua cativante e a experiência de leitura foi mais leve, embora ainda tivesse tido dificuldades com certos termos, já que o li em inglês. Havia muitos vocábulos relacionados com tecnologia ou materiais que não me são familiares, mas, tal como em Cinder, não me impediram de gostar da história. Como o estilo se mantém, li o livro rapidamente.


Concluindo, Scarlet foi uma agradável surpresa, uma vez que, normalmente, em coleções, o segundo livro peca por vermos uma descida de qualidade quanto ao primeiro livro. No entanto, isso não aconteceu neste caso e ainda bem. A escrita fascina, as personagens, num instante, nos encantam e o enredo continua a ser o ponto forte da autora, com lufadas de ar fresco que nos maravilham.


Classificação: 4/5 estrelas.





Sem comentários:

Enviar um comentário