quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Opinião: Cinder (#1 The Lunar Chronicles), de Marissa Meyer





The Lunar Chronicles (na edição portuguesa, Crónicas Lunares) é uma coleção de quatro livros de Ficção Científica que reconta quatro contos tradicionais. O primeiro livro, Cinder, é uma transformação da história da Cinderela. Neste livro, seguimos a vida de Cinder, uma mecânica extremamente talentosa, mas que tem uma vida complicada por causa da madrasta e de uma das filhas dela. Além disso, é uma cyborg, ou seja, é humana, mas tem partes mecânicas devido a um acidente na infância. Tudo muda quando o herdeiro da sua nação, o príncipe Kai, lhe pede ajuda para consertar um android e quando a outra meia-irmã é uma das vítimas da doença que afeta o planeta inteiro. Cinder envolve-se em problemas políticos e acaba por ser uma cobaia em experiências focadas na cura da doença mortífera. No meio de tantos conflitos, como irá ela lidar com os seus sentimentos e com o futuro do planeta Terra?



É normal vermos recontos de histórias tradicionais na Fantasia, mas nunca tinha lido dentro do género da Ficção Científica. Portanto, gostei muito desta nova e fantástica experiência. A essência da história original está presente, mas com reviravoltas muito boas e intrigantes.


A ação passa-se num futuro em que já houve até uma Quarta Guerra Mundial, ou seja, o planeta Terra tem tecnologias mais avançadas e há vida na Lua, por exemplo, com regime monárquico e pessoas que podem controlar as mentes daqueles que não vivem lá. Além disso, os continentes estão divididos de formas diferentes e as monarquias são extremamente relevantes. É assim que a história da Cinderela é renovada, acrescentando-se cyborgs, androids, naves espaciais e personagens mais cativantes e não tão superficiais como no conto. É um enredo que consegue ser original, sem esquecer a sua verdadeira base. A coleção também baseia-se no anime Sailor Moon, já que, ao longo da coleção iremos conhecer um grupo de jovens que não são totalmente humanos e que querem salvar o planeta Terra e têm laços com a Lua, havendo, ainda, um habitante da Lua que é mesmo importante na história. Como alguém que cresceu a ver este anime, adorei a familiaridade que senti neste livro. Este livro é, portanto, uma lufada de ar fresco.



Luna | The Lunar Chronicles by Marissa Meyer
Luna, o reino de Levana, a vilã da coleção.


A escrita foi, praticamente, a única coisa que me atrapalhou ao longo da leitura devido aos termos técnicos. Li em inglês e, claro, houve alguns termos tecnológicos que eu não entendi. Contudo, isso não me deixou apreensiva quanto ao talento da autora. Ignorando esses termos, a sua escrita prende o leitor à história e, por isso, não demorei muito tempo a ler este livro. De facto, é o tipo de escrita ideal para este enredo envolvente e surpreendente.


As personagens são variadas e gosto tanto das personagens do lado do bem, como as do lado do mal. As do lado do mal são muito interessantes, misteriosas e astutas. Até a madrasta é interessante, apesar de não gostar nada das atitudes dela. Ainda assim, como uma espécie de vilã, aprecio esta figura. A personagem principal, Cinder, é uma das minhas favoritas, devido à sua força de vontade e por ser uma figura que representa as mulheres que lutam contra o machismo. O seu sarcasmo é um dos seus pontos fortes, bem como a sua sensibilidade e a maneira como se vê, na medida em que, apesar de reconhecer os seus defeitos, de pensar neles e de duvidar-se de si própria, ela não desiste e luta pela justiça. Em relação a Kai, ainda bem que ele não é vazio como o príncipe da história original. É um jovem que, tal como Cinder, reconhece os seus defeitos, mas é forte e não desiste. É também cativante devido ao seu sarcasmo. Uma outra coisa interessante neste livro é a diversidade. Como se passa em Eastern Commonwealth, um reimo que se situa no continente asiático, temos personagens chinesas, até porque esse reino situa-se na China do mundo real. É muito bom ver diversidade na literatura, principalmente quando há personagens com personalidades tão diferentes e fortes. Por fim, temos a rainha Levana, a monarca de Luna, que quer, por força, casar com o príncipe Kai e que usa o poder mental para controlar qualquer um. É, de certa forma, a típica vilã em busca de poder e que adora controlar os mais fracos, mas há uma vulnerabilidade que, certamente, será exposta ao longo da coleção. Há, portanto, personagens para todos os gostos.



-The Lunar Chronicles- : Photo
Tal como no conto, aqui, Cinder também perde o sapato. Bem, mais propriamente o seu pé mecânico.


Concluindo, Cinder é uma primeira garfada de uma coleção que promete ser saborosa. Com um enredo original que mostra a destreza de Marissa Meyer em pegar em contos tradicionais e transformá-las e com personagens que parecem ser reais e que são inspiradoras, este primeiro livro promete conquistar leitores que adoram as típicas histórias de encantar, mas que procuram por inovação.


Classificação: 4.5/ 5 estrelas.





Sem comentários:

Enviar um comentário