sexta-feira, 1 de julho de 2016

Lançamento de A vida no campo, de Joel Neto

Na passada quarta-feira, dia 29 de junho, uma amiga e eu fomos ao lançamento do mais recente livro de Joel Neto, escritor e cronista açoriano, natural da Terceira. A sessão teve lugar na livraria SolMar e contou com a presença do professor da Universidade dos Açores e crítico literário, Vamberto Freitas, que também é terceirense. 


Joel Neto recebeu uma garrafa de laranjada, logo no início do evento!


O evento começou com a apresentação do professor Vamberto Freitas, que falou sobre o crescimento da literatura açoriana, que tem vindo a ser muito reconhecida em todo o país nos últimos tempos. É importante dar a conhecer os autores que tanto amam as suas pequenas terras e que mostram esse carinho através da escrita, realçando os costumes, os valores e o ambiente das ilhas. Em relação às duas últimas obras de Joel Neto (Arquipélago e A vida no campo), o professor caracteriza-as como sendo uma fusão de originalidade com familiaridade, na medida em que (principalmente) os açorianos irão ver o seu reflexo nos livros do cronista.

Após uma apresentação calorosa, Joel Neto procedeu à leitura de excertos de A vida no campo, que é como um diário pessoal do escritor. O convidado escolheu passagens que continham breves alusões a São Miguel.




Antes da sessão de autógrafos, o autor leu alguns excertos de A vida no campo.





Terminadas as leituras, houve a sessão de autógrafos, onde os leitores puderam falar um pouco com o autor. Quando chegou a minha vez, disse-lhe que tinha adorado a sessão e que tem sido uma ótima experiência ler A vida no campo, até porque tinha lido apenas 90 páginas até ao evento. Falamos, ainda, sobre as origens dos Arrifes, pois o autor revelou que uma das suas avós era natural desta grande freguesia micaelense. 








Concluindo, gostei muito de conhecer e de falar com Joel Neto, cujos livros têm sido um grande sucesso de vendas em todo o país. Este evento veio, ainda, reforçar a minha curiosidade em relação à literatura açoriana, uma vez que, até agora, só li um ou dois livros escritos por açorianos.

É sempre com muito gosto que assisto a este tipo de eventos literários e espero conhecer mais autores portugueses em breve! 





Sem comentários:

Enviar um comentário