quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

Os 13 finalistas do Prémio Literário Casino da Póvoa

No passado dia 4 de janeiro, a Câmara Municipal da Póvoa de Varzim anunciou os 13 finalistas do Prémio Literário Casino da Póvoa, um galardão que é atribuído no Correntes d'Escritas. Para este galardão, concorreram cerca de 170 obras.



Câmara Municipal responsável pelo evento literário Correntes d'Escritas.



Correntes d'Escritas é um encontro anual que decorre durante o mês de fevereiro, no qual se reúnem escritores naturais de países onde se falam português e espanhol, havendo autores provenientes da Península Ibérica, da América Central e do Sul, e da África Lusófona. Começou em 2000, ano em que se comemorou o centenário da morte de Eça de Queirós, natural de Póvoa de Varzim. 
Os pontos altos do evento não são apenas as entregas dos prémios, como também as "mesas" de debate e as visitas às escolas.




Correntes d'Escritas já recebeu grandes escritores, como Luís Sepúlveda (Chile) e Rui Zink (Portugal).


Em relação aos prémios literários, o mais importante é o Prémio Literário Casino da Póvoa, que foi instituído em 2004 e é atribuído a novas obras em prosa ou poesia. O seu valor monetário é de 20.000 euros. 
Neste evento anual, há também um outro grande prémio, que é concedido a jovens escritores (15-18 anos): o Prémio Correntes D'Escritas/ Papelaria Locus.



O vencedor da edição de 2015 foi Fernando Echevarría, natural de Espanha, mas veio para Portugal quando era muito novo.



Este ano realiza-se a 17.ª edição do Correntes d'Escritas e já foram divulgados os nomes dos finalistas do Prémio Literário Casino da Póvoa, que foram selecionados pelo júri, constituído por Carlos Vaz Marques, Helena Vasconcelos, Isabel Pires de Lima, João Rios e José Manuel Fajardo.

Entre os finalistas portugueses, temos A Casa Azul, de Cláudia Clemente; A Liberdade de Pátio, de Mário de Carvalho; Cláudio e Constantino, de Luísa Costa GOmes; Da Família, de Valério Romão; Gente Melancolicamente Louca, de Teresa Veiga; O Sonho Português, de Paulo Castilho; Os Memoráveis, de Lídia Jorge; e Tudo são Histórias de Amor, de Dulce Maria Cardoso.


Um dos finalistas portugueses do Prémio Literário Casino da Póvoa.



Há, ainda dois angolanos: Valter Hugo Mãe, com A Desumanização; e José Eduardo Agualusa, que concorreu com A Rainha Ginga. Por fim, temos As Leis da Fronteira, do espanhol Javier Cerca, Barba Ensopada de Sangue, do brasileiro Daniel Galera; e Hereges, do autor cubano Leonardo Padura.



Obra espanhola finalista do Prémio Literário Casino da Póvoa.



A obra vencedora será anunciada na Cerimónia de Abertura do Encontro de Escritores de Expressão Ibérica, no Casino da Póvoa. O prémio monetário será entregue na Sessão de Encerramento.

Sem comentários:

Enviar um comentário