quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Prémio LeYa de 2015 vai para António Tavares

A obra vencedora do prémio Leya de 2015 (criado, em 2008, com o objectivo de distinguir "um romance inédito escrito em português") é O Coro dos Defuntos, de António Tavares, professor do ensino secundário e vice-presidente da Câmara Municipal da Figueira da Voz.


António Tavares é o vencedor do Prémio Literário LeYa de 2015.Foi jornalista, fundador e diretor do periódico regional A Linha do Oeste.



Como romancista, recebeu, em 2013, uma menção honrosa no prémio Alves Redol, graças ao livro O Tempo Adormeceu Sob o Sol da Tarde. Além disso, já tinha sido finalista do Prémio Leya 2013, com o romance As Palavras Que Me Deverão Guiar Um Dia, que acabou por ser publicado, no ano passado, pela Editoral Teorema.




Foi um dos romances finalistas do Prémio Leya de 2013. O livro vencedor foi, no entanto, Uma Outra Voz, de Gabriela Ruivo Trindade.




A decisão, anunciada no dia 13 de outubro, foi feita de forma unânime pelo júri, presidido por Manuel Alegre, composto também por Nuno Júdice, Pepetela e José Castello e José Carlos Seabra Pereira, professor da Faculdade de Letras da UC, Lourenço do Rosário, reitor do Instituto Superior Politécnico e Universitário de Maputo e Rita Chaves, professora da Universidade de São Paulo.




Os jurados do Prémio LeYa de 2015.



O júri afirma que O Coro dos Defuntos é um romance que possui "uma construção sólida, conduzindo o leitor através de uma escrita que inscreve, em paralelo, o percurso do país e o do mundo". Declara, ainda, que há "versatilidade na composição da narrativa e no cruzamento de vozes e perspetivas correspondente à diversidade de personagens". 


António Tavares receberá 100 mil euros e terá O Coro dos Defuntos publicado pela Leya.

Sem comentários:

Enviar um comentário