segunda-feira, 20 de julho de 2015

Associação Portuguesa de Escritores atribui Grande Prémio de Romance e Novela a Mário Cláudio


O escritor Mário Cláudio recebeu esta distinção graças ao seu livro Retrato de Rapaz, que foi publicado no ano passado. Esta obra pertence a uma trilogia, tendo como primeiro livro Boa Noite, Senhor Soares. O terceiro livro intitula-se de O Fotógrafo e a Rapariga.

O escritor Mário Cláudio, vencedor do Grande Prémio de Romance e Novela.

O júri contou com José Correia Tavares, Ana Paula Arnaut, Isabel Cristina Mateus, entre outros nomes, que decidiram atribuir o prémio de 15 mil euros ao autor que já tinha recebido o mesmo galardão há 30 anos atrás, graças à obra Amadeo.

Edição de bolso de Amadeo, livro que ganhou o Prémio da Associação Portuguesa de Escritores de 1984.


Os finalistas desta edição foram Os Memoráveis, de Lídia Jorge, Cláudio e Constantino, de Luísa Costa Gomes, Retrato de Rapaz, de Mário Cláudio, No Céu não há Limões, de Sandro William Junqueira, e Impunidade, de H.G. Cancela.

Uma das obras finalistas do Grande Prémio de Romance e Novela de 2014.

A editora D.Quixote já anunciou que irá publicar o novo romance do autor, Astronomia, que estará dividido em três partes. A primeira parte, Nebulosa, será publicada em setembro. Cada uma das partes corresponde a três fases fulcrais da vida do protagonista, sendo que a primeira corresponde à sua infância. Já a segunda parte, Galáxia, corresponde à idade adulta, enquanto Cosmos, a terceira parte, corresponde à velhice.


Capa do livro vencedor do Grande Prémio de Romance e Novela de 2014.
Aqui deixo a sinopse do livro que venceu a edição de 2014 do Grande Prémio de Romance e Novela, prémio atribuído pela Associação Portuguesa de Escritores: Farto do descaminho de Giacomo, o pai vem deixá-lo ao estúdio de banho tomado, mas ainda com andrajos e piolhos, para que o artista que exuma cadáveres e constrói máquinas voadoras o endireite e faça dele seu criado. A beleza do rapaz impressiona, porém, Leonardo, que logo pensa nele para um anjo, concluindo porém que lhe assentam melhor corninhos de diabrete, e assim o rebaptizando como Salai. Serão, de resto, os pecadilhos do rapaz que o farão cair nas boas graças do amo e o elevarão à categoria de aprendiz sem engenho mas com descaramento para emitir opiniões, borrar a pintura, traficar pigmentos e até surripiar desenhos. E, num jogo de pequenas traições mútuas, vai-se criando entre Salai e o pintor uma cumplicidade que os aproximará como se fossem pai e filho. Mas eis que irrompem na vida de ambos Três Graças viciosas que semeiam a discórdia e o ciúme, ameaçando fazer esmorecer a estrela que os reuniu…
Retrato de Rapaz é uma novela fulgurante sobre a relação entre mestre e discípulo, nem sempre isenta de drama e decepção, e sobre a criatividade de um artista genial em tudo, mesmo na gestão dos seus afectos. Com a presente obra, Mário Cláudio compôs, com a arte e a mestria a que nos habituou, um retrato belíssimo que pode ser apreciado como uma pintura.



Sem comentários:

Enviar um comentário