quinta-feira, 2 de abril de 2015

Opinião: Encontro em Itália, de Liliana Lavado


Sinopse retirada do site da Bertrand: Encontro em Itália revela a história de dois amigos de Infância. Henrique e Sara que pouco têm em comum, para além de uma paixão por livros e uma amizade que ambos já deram como perdida. Após vários anos afastados, ele é agora um estudante finalista de Literatura Inglesa que olha com receio os dias fora das paredes seguras da Universidade e ela uma aspirante a escritora que se esvanece no tumulto de um grupo amigos problemáticos. Durante uma viagem a Itália, que tem tudo para ser perfeita, vão encontrar um livro misterioso, um gato com um estranho sentido de humor e uma inesperada aventura que os volta a juntar no mesmo caminho. Henrique e Sara podem ter encontrado um no outro o pretexto que tanto procuravam para adiar decisões e contornar o futuro.


Opinião: Este é o segundo livro que leio desta autora. O primeiro foi Inverno de Sombras, cuja obra eu adorei!!! Por isso, estava com grandes expetativas quanto a este livro.

Mais uma vez, a autora publicou um livro que se insere no ambiente fantástico ou, se preferirem, uma obra que se insere no sobrenatural, ou seja, anjos e Nefilins. Apesar de já ter lido outros livros sobre estes seres, para mim, este da Liliana Lavado foi o mais original. Os outros que eu li eram um pouco picuinhas, os rapazes (que eram sempre os anjos ou Nefilins) eram os bad boys, as personagens femininas não eram tão fortes como eu queria. No entanto, neste livro, há uma nova abordagem a esta temática, e eu adorei essa parte! Ainda assim, não posso revelar muito mais pois, penso eu, iria destruir o ambiente da história. Todavia, de facto, os anjos, neste romance, são diferentes daqueles que conheço de outras obras. Portanto, em relação ao enredo, apesar de possuir certos clichés ou cenas previsíveis (houve algumas partes que eu já sabia que iriam ocorrer, mas não estragaram a história, claro), foi bem construído e teve os seus toques originais. Mas tenho pena de uma coisa: o próprio título faz referência a Itália (bem, é um dos meus destinos de sonho!), e eu pensava que a ação iria passar-se, na sua maioria, neste país encantador. Porém, Henrique e Sara, as personagens principais, não passaram muito tempo e as descrições dos locais não foram tão ricos e cativantes como estava à espera. Enfim, apesar disso, percebo na mesma a escolha da autora. Se lerem o livro, também vão entender. Afinal, toda a história ocorreu devido ao que eles encontraram em Itália!

Em relação às personagens, penso que elas estão muito bem construídas e, por isso, muito bem definidas. São bastante credíveis e cada uma é diferente e única. É claro que há personagens chatas ou aquelas que simplesmente nos irritam, mas gostei do elenco. Por exemplo, houve alturas em que queria dar umas pancadas na cabeça da Sara! Ela irritou-me imenso com os seus comportamentos explosivos... Mas, para haver um certo equilíbrio, havia o Henrique, que foi com quem mais me identifiquei por ser mais calmo e compreensivo. Apesar disso, a partir da segunda metade da obra, os papéis inverteram-se, ou seja, foi revelada a verdadeira essência de Sara e acabei por perceber os seus comportamentos; já o Henrique, ele perdeu um pouco o seu raciocínio, mas a própria situação explica os seus comportamentos. O que quero dizer é que, apesar das imperfeições das personagens, o leitor acaba por compreender a situação delas, havendo mesmo uma certa compaixão e ligação. 
Ainda tenho que falar em mais uma coisa: o final de cada personagem. Entendi o final de Haari, bem como o final de Henrique e Sara, apesar de ter pensado que seria algo mais alegre e amoroso; mas eu percebi e, de facto, depois de todo o sofrimento, penso que é o final mais razoável para eles. Todavia, gostaria de ter sabido mais acerca das outras personagens, como Isabel e Pedro, a Bia, o Paulo, os pais de Sara e Isabel... Tivemos um certo vislumbre de Isabel e Pedro, mas não passou disso. Com isto, pretendo indicar que, apesar de serem personagens secundárias, gostaria que elas tivessem sido mais exploradas. Mas, claro, no geral, gostei da construção das diversas personalidades.

Quanto à escrita, continua ótima e cativante, tal como no Inverno de Sombras. A autora não se perde muito dos detalhes e nas descrições e, de facto, é uma escrita que apresenta um bom ritmo e com um vocabulário simples. Agora, tecnicamente, havia algumas gralhas, alguns erros. Digo "tecnicamente", pois isto tem a ver com o trabalho de revisão (penso eu, uma vez que não tenho grandes conhecimentos em relação ao processo editorial). Algumas palavras tinha falta de letras, havia frases com falta de pontuação, outras, talvez, com excesso... Não digo que isto dificultou a minha leitura, claro que não, mas incomodou um pouquinho... Ainda assim, a autora apresenta uma escrita leve, capaz de transmitir humor e as diversas emoções das personagens. 

Concluindo, apesar de certas falhas, este é um bom romance de uma jovem escritora que está a dar grandessíssimos passos na literatura portuguesa! Aliás, é notável o seu talento para contar histórias lindas e cativantes, principalmente pelo facto de elas se inserem no sobrenatural! Uma escritora a não perder :D

P.S- Um pormenor estético: adorei a capa do livro, mas penso que deveria ter tido alguns elementos sobrenaturais... Quem olha para a capa, pensa que a obra é apenas uma história romântica. Mas, como tinha dito, é muito bonita! :)


Classificação: 8,5/10 estrelas

Sem comentários:

Enviar um comentário