quarta-feira, 10 de julho de 2013

Opinião: Trocada, de Amanda Hocking


Sinopse retirada do site da Bertrand: Aos seis anos Wendy escapa à morte quase por milagre - e quem a tenta matar é a própria mãe, acha que a filha não é sua, mas sim uma intrusa, trocada à nascença no hospital. Onze anos mais tarde, a estranha adolescente, de cabelos negros, começa a suspeitar de que a mãe, se calhar, até tinha razão. Na nova escola, mais uma entre tantas, ela sente-se posta à parte por todos. Menos por Finn Holmes, um rapaz silencioso e sombrio que se limita a olhá-la fixamente - e lhe desperta sentimentos contraditórios, um medo enorme, e uma irresistível atração. Finn é um Achador, que a procura há anos. E agora que a encontrou, quer levá-la para casa, para o reino dos Trylle, onde Wendy vai descobrir o que sempre suspeitou - ela é mesmo diferente, e tem poderes mentais muito mais poderosos do alguma vez imaginara. Primeira romance da Saga Trylle, Trocada é um fenómeno editorial sem precedentes. A autora foi rejeitada por dezenas de editores. Até que um dia decidiu publicar os seus livros sozinha, e vendê-los em sites, para pagar uma viagem a Chicago. O sucesso foi imediato, vendeu mais de dois milhões de exemplares.


Opinião: Posso dizer que estava com grandes expetativas em relação a este livro. Aliás, quem faz um livro sobre trolls? Neste caso, chamam-se trylles e são diferentes da imagem que temos de trolls.

Contudo, este livro não superou as minhas expetativas, mas também não esteve abaixo delas. Simplesmente, estava à espera de algo um pouco mais complexo. 
Com isto, não quero dizer que não é bom. É claro que é bom e gostei muito da forma como iniciou com algo um pouco traumatizante e tudo mais, o que me fez prender ao livro. E gostei muito da relação entre Wendy e Finn. Mas, ainda assim, algo faltou a esta história. Acho que sei o que se passa. Acho que foi o facto de ter achado que Wendy foi um pouco infantil em vários momentos da história. Ela teve vezes que comportou-se como uma típica adolescente mal-humorada ou mal-encarada, e houve vezes que não gostei, se bem que se adequavam à situação pela qual ela estava a passar. Ou então, apesar de por vezes ela querer transmitir uma imagem de ser uma jovem forte e que encara as situações de uma forma independente, houve vezes que parecia demasiado mansa, dependente, como se, afinal, fosse incapaz de agir.

Apesar disto, até gostei desta personagem. Foi mais para o fim do livro que percebi que ela estava a ficar mais madura, talvez. É por isso que quero continuar com esta trilogia.
Assim, quero dizer que, talvez, a minha personagem favorita seja Finn, uma vez, que ele teve que aturar a Wendy e, ainda assim, deixou-se encantar por ela.
Por assim dizer, acho que a relação entre Wendy e Finn e os seus momentos de cumplicidade e amorosos, acabaram por "salvar" o livro.

Já que estou a falar das personagens, num modo geral, penso que são um pouco simples, pelo menos ainda. Quero ver se elas ficam mais complexas nos outros dois livros.

Para além disto, há mensagens transmitidas neste livro. Por exemplo, há pessoas que conseguem amar outras como se fossem da mesma família, apesar de o não serem. Também a autora mostrou uma crítica quanto à sociedade que criou, isto é, referindo-se à nossa sociedade. Está presente no livro que os trylle dão mais valor aos títulos de honra, da realeza e coisas do género, e eles são muito supérfluos e tudo mais, tal como acontece na nossa sociedade. As pessoas dão mais valor à imagem e a coisas materiais, e penso que a autora acabou por transmitir uma pequena crítica quanto a isso.

Quanto à escrita, é algo fluído e simples, que consegue captar a atenção do leitor.

Concluindo, como podem ver, não tenho muito a dizer sobre este livro. Não quero falar mal dele, uma vez que até gostei dele e até captou alguma atenção. Mas também não foi algo, do tipo, muitíssimo extraordinário.
Por isso, quero ler o segundo volume, Dividida, para ver se fico mais cativada pela história.
Ainda assim, posso dizer que aconselho a leitura deste livro.

Classificação: 3.5/5 estrelas


Sem comentários:

Enviar um comentário